RADIO IPB

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

QUANDO TUDO NÃO É SUFICIENTE

Elvis Presley, Elis Regina, Amy Winehouse, Janis Joplin, Jimi Henrix, Michael Jackson entre outros e agora Witheny Houston....O que será que eles têm em comum? Sim, porque todos eles morreram de forma prematura mesmo tendo todos os recursos que lhes garantiriam uma sobrevida. Boa alimentação, mansões, dinheiro, fama, fortuna, enfim, recursos é que não lhes faltaram. Todavia, partiram precocemente, jovens.

De Amy Winhehoue, Michael Jackson e agora W. Houston há no ar aquele senso da dúvida já que todos sabiam que eles se drogavam, de uma ou de outra maneira. Esse senso de desconfiança é aguçado pelo fato das autoridades dizerem que eles morreram, simplesmente, de forma "inexplicável". Acabei de ler que o laudo técnico sobre as razões da morte de Houston só sai daqui um mês, ou seja, suponho eu, quando ninguém mais estiver linkado, ligado ou interessado pelo assunto.

Há algum tempo tenho acompanhado as notícias, com enorme tristeza, (justamente eu que amo música e admiro os belos intérpretes, lista da qual ela fazia parte e ocupava o topo), sobre o envolvimento de W. Houston com drogas. Os outros citados por mim no início desse artigo também foram notórios consumidores de drogas sem as quais parece que eles não viveriam e pensando assim morreram. Paradoxal, não?

Parece-me que o que liga esses personagens da música, é mesmo esse denominador comum - drogas. Todos eles se tornaram vítimas dessa nojenta e asquerosa coisa chamada droga que é oferecida em várias versões - maconha, cocaína, lsd, perventin, crack, ecstasy...etc...etc....

A droga dá barato (mas é cara e cobra a própria vida).

A droga alucina, ilusiona, faz o indivíduo covarde e tímido ser "corajoso", ou para assaltar, ou subir em um palco e enfrentar a audiência, encarar os fãs que os adoram e a quem eles não querem dececpionar (e com suas mortes estúpidas só não decepcionam os tolos iguais a eles), ou conquistar essa ou aquela ficante numa noite em uma "rave" qualquer onde o barato é "azarar" o maior número possível de "minas".

A droga faz o cara ser o que não é. Ela despernosaliza, ou cria uma outra personalidade, uma outra pessoa.

A droga aliena porque faz as pessoas viverem sem levar em conta que o melhor é enfrentar os problemas que naturalmente, ou mesmo sob nossa responsabilidade, surgem, mas preferem correr dos problemas e se afundar nas drogas.

A droga ocupa um espaço indevido na alma e no coração humano. Tenho visto jovens que são criados sem amor e disciplina e por isso são seduzidos pelos "amores dos traficantes". Por outro lado tenho conhecido jovens desprezados que encontraram em Cristo o amor de suas vidas e o sentido para sua existência.

Se alguém possui um pouquinho de juízo esse pouquinho se esvai quando a droga entra.

Perdi amigos amados, talentosos, tanto no futebol quanto na música, vítimas desta pestilência chamada droga. Lembro-me de alguns deles com ternura e tristeza.

Mas pensando nesses personagens da música, que se foram vitimados pelas drogas eu sou obrigado a me lembrar das palavras de Jesus quando o mestre disse: "...que aproveitará o homem se ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma. Ou que dará o homem em troca de sua alma?". (Mateus 16.26) A impressão que tenho, a respeito desse notáveis que morreram, e como morreram, é que "tudo" para eles não foi o suficiente.

O artista começa ralando, viajando, disciplinado. Então a fama abre as portas e ele entra. Holofotes, aplausos, gritos frenéticos, prêmios, festas, dinheiro, muito dinheiro, um patrimônio que se agiganta, agenda superlotada, tapinhas nas costas, massagem no ego, mansões, carrões, conquistas amorosas aos montões, e por aí vai...... Mas por trás de tudo isso, há uma tristeza, um vazio na alma, um constante questionamento, e madrugadas vazias que se multiplicam, um senso de despropósito possui seu coração e as drogas entram nessa hora para dar sentido, entorpecer, alienar,"alegrar", "animar"...... A trilogia, dinheiro, sexo e fama (poder) faz suas vítimas quando tudo que se tem não é colocado no altar de Deus, quando tudo que se faz se torna apenas um meio de entretenimento, prazer e satisfação carnal.

Quando não há nenhum traço de espiritualidade o tal "cantor", como fez W. Houston, pode cantar "Jesus Loves Me", mas é só mais uma performance, mais uma linda música, só isso. Não há realidade dentro disso, não há conteúdo, é só mais uma droga. Só mais uma, desde que o público goste e aplauda.

De fato ter tudo não significa absolutamente nada se você perdeu o senso do propósito de sua existência e vida.

De fato o tudo é nada se você perdeu de vista a razão de ser e existir.

De fato o tudo se torna nada, quando você começa a se deixar adorar e cultuar como se fosse um deus.

De fato o tudo não é suficiente quando você não sabe porque o obteve. Quanto o tudo não é suficiente a pessoa morre e os jornais dizem não achar explicação para tal falecimento tão precoce......Porque quando o tudo é nada, não há nada que satisfaça.

Calvino também morreu jovem, como jovem morreu nosso missionário A. G. Simonton.....Eles não lutaram por fama, glória humana, e o seu legado jamais se apagará. Dizem que são palavras de Calvino: "Por Cristo deixei tudo. O que encontrei? Ora, em Jesus encontrei tudo". Valeu ter vivido pouco, pois não deixou a nítida impressão de que morreu precocemente, pois quem vive para Deus não se importa com a quantidade de existência, mas com a qualidade com que se vive. Quem vive para Deus sabe a razão de sua existência e se satisfaz com aquilo que aparentemente é pouco.

De fato; há no coração do homem um vazio que tem o formato exato de Deus. Nada, absolutamente nada pode ocupar esse espaço. Nem o tudo que o mundo oferece e dá, porque para quem vive sem Deus nem o "tudo é suficiente".

Nenhum comentário:

Postar um comentário