RADIO IPB

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Enfrentando a Ansiedade



"Lançando sobre ele toda vossa ansiedade, pois ele tem cuidado de vós" (1ª Pedro 5.7).

A ansiedade é um tema muito discutido atualmente, tanto pelos profissionais de saúde, como pelas pessoas que passaram, passam ou tem alguém passando por esse momento de vida. Nossa proposta é analisar brevemente o que é a ansiedade, o que ela provoca em nossa vida e como podemos enfrentá-la.

O que é ansiedade? Ansiedade é um sentimento vago e desagradável de medo, apreensão, caracterizado por tensão ou desconforto derivado de antecipação de perigo, de algo desconhecido ou estranho. A ansiedade e o medo passam a ser reconhecidos como patológicos quando são exagerados, desproporcionais em relação ao estímulo, ou qualitativamente diversos do que se observa como norma naquela faixa etária e interferem com a qualidade de vida, o conforto emocional ou o desempenho diário do indivíduo.

A ansiedade aparece em nossa vida como um sentimento de apreensão, uma sensação de que algo está para acontecer, ela representa um contínuo estado de alerta e uma constante pressa em terminar as coisas que ainda nem começamos. Desse jeito, nosso domingo têm uma apreensão de segunda-feira e a pessoa antes de dormir já pensa em tudo que terá de fazer quando o dia amanhecer. É a corrida para não deixar nada para trás, além de nossos concorrentes. É um estado de alarme contínuo e uma prontidão para o que der e vier.

O sintoma principal é a expectativa apreensiva ou preocupação exagerada. A pessoa está a maior parte do tempo preocupada em excesso. Além disso, sofre de sintomas como inquietude, cansaço, dificuldade de concentração, irritabilidade, tensão muscular, insônia e sudorese.

Assim sendo, considerando a nossa necessidade fisiológica de nos adaptarmos às diversas circunstâncias através da ansiedade, falamos em Ansiedade Normal. Por outro lado, falamos também da Ansiedade Patológica como uma forma de resposta inadequada, em intensidade e duração a solicitações de adaptação. Um determinado estímulo (interno ou externo) funcionando como uma convocação de alarme continuamente.

Todas as pessoas enfrentam situações no dia a dia que precisam de ansiedade, que dá movimento, impulsiona a realização. O problema é quando temos uma preocupação excessiva e isso afeta nossa vida. Queremos realizar muitas coisas e, quando não conseguimos, pensamos muito naquilo que deixamos de fazer ou no que vamos fazer, gerando palpitações, tremores, inquietude, irritabilidade e tira nosso sono. O que temos que decidir ou algo que temos que resolver, seja um problema pessoal ou no trabalho, também nos conduz a uma apreensão.

A Bíblia apresenta algumas situações de pessoas que passaram por esses momentos tensos na vida. Nossa escolha foi o texto do apóstolo Pedro, que apresenta solução para uma situação vivida pela comunidade de fé.

No texto da nossa meditação, o apóstolo Pedro chama a atenção para a ansiedade do povo diante das dificuldades vividas. A palavra utilizada, traduzida por ansiedade, também tem o sentido de preocupação. De fato a comunidade da fé vivia uma preocupação intensa com relação a situação de conflito. O trecho mais claro que fala de sofrimento e conflito é o 1ª Pedro 4.12-19. O versículo 12 diz assim: "Amados, não estranheis a provação que como fogo vos sobrevém, como se vos estivesse acontecendo alguma coisa estranha".

O autor chamado Elliott diz que o "contexto se refere a pressão social, discriminação religiosa e hostilidade local, as quais costumeiramente eram dirigidas pelos nativos contra seitas religiosas exóticas, estranhas e inferiores. Além do mais... tais incidentes eram típicos das reações populares contra o cristianismo no império romano da época". Eles viviam várias pressões, dentro e fora da igreja.

Dentro da igreja eles viviam algumas disputas, fofocas, crises na autoridade e tudo aquilo que é comum nos relacionamentos. Mas, a questão estava em excesso, pois tirava a harmonia do convívio e gerava várias confusões.

Fora da igreja eles viviam as perseguições religiosas e os ataques da sinagoga dos judeus. Eram chamados de praticantes de seita religiosa e inferiorizados constantemente. Muitos que iam para a igreja vinham das chamadas classes inferiores.

Mas, Pedro apresenta um caminho para viver e conviver com essas situações de pressão interna e externa. Essas preocupações precisam de canalização, de alívio interno, para que possamos prosseguir em nossa caminhada.



Tema: Enfrentando a Ansiedade



Lançando-a fora

Pedro apresenta uma solução bastante interessante, como parte importante daqueles que vivem as situações difíceis. Essa parte não é de Deus e, sim, da pessoa. Quem deve "lançar" é quem vive tal situação.

O lançamento solicitado por Pedro é a ansiedade. Seus ouvintes estavam ansiosos, muito preocupados com as dificuldades passadas, com tensões e pressões sociais. Também é natural quando vivemos situações difíceis sentirmos agitação e inquietação. Eles não negaram diante de Pedro que estavam preocupados, mas assumiram a condição.

Lançar não é somente um ato de atletismo, daqueles preparados para fazer o lançamento a uma longa distância ou uma imagem militar da época de arremessar para acertar um alvo. O lançar apresentado por Pedro é um ato de fé e o caminho da libertação, como o texto do salmista, no Salmo 55.22: "Confia os teus cuidados ao Senhor, e ele te susterá; jamais permitirá que o justo seja abalado".

Essa direção apresentada é um tratamento que nos leva a compreensão que temos que tirar de nós algo que incomoda, impede o prosseguir natural e saudável da vida, cria tensões internas, abala nosso sono, o convívio com as pessoas e nos leva para a improdutividade. Tirar algo assim da vida é libertador!

Você deve pensar que essa é uma proposta difícil ou quase impossível aos olhos humanos. De fato é verdade. Você já deve ter feito várias tentativas, se esforçado e até alcançado algum sucesso imediato. Mas, depois de algum tempo, lá está você novamente, se preocupando em exagero, irritado, nervoso e muito tenso. É por isso que o apóstolo fala que é um ato de fé! Tirar a preocupação de nossas mãos e lançar. Mas, em que lugar?



Em Deus (no lugar certo)

Pensar em tirar essas preocupações da gente é formidável. Porém, eu jogo logo ali? Jogo num lugar acessível e disponível para eu pegar novamente e viver todas as tensões? Ou então, você pode pensar em jogar em alguém que irá entender e jogará fora por você! Mas, esse alguém não é uma pessoa, por mais capacitada que seja, mais conhecedora dos assuntos humanos. Pedro fala para lançar em Deus! "Lançando sobre ele (Deus) toda vossa ansiedade..."

Podemos observar na Bíblia que o povo de Deus sempre se voltou para Ele em suas necessidades. Quando viveu a escravidão do Egito, clamou a Deus e Ele os libertou. Os profetas sempre convocaram e alertaram o povo para que voltassem para Deus e o buscassem. Pedro faz a mesma coisa, voltem-se para Deus, lancem em Deus, joguem nele tudo o que preocupa vocês, todas as dores e temores, todos os lamentos e descontentamentos, toda a aflição, angústia, insônia... Ele lutará por vocês!

O texto de Provérbios 12.25 diz que "A ansiedade no coração do homem o abate, mas a boa palavra o alegra". Deus sempre tem a boa Palavra. A Palavra dele é boa e agradável e Pedro sabe disso. Ele viveu ao lado de Jesus e sempre ouviu qual era o caminho de Deus. O próprio Jesus mostrou a Pedro o que deveria fazer e onde deveria lançar suas questões. Pedro aprendeu com Jesus, seu mestre e guia. Ele ensina a comunidade que o lançar é um ato de fé, mas, única e exclusivamente em Deus, pois só Ele pode pegar e nos libertar desse mal que nos aflige com tamanha intensidade.

O lançar em Deus a nossa ansiedade nos conduz a confiança de que Ele pode fazer algo, ou melhor, já fez pelo povo e pode continuar fazendo em todas as gerações, inclusive na de Pedro e na nossa.



Pois Ele cuida de nós

Deus sempre cuidou do seu povo, desde a antiguidade. O profeta Jeremias, escrevendo Lamentações, no capítulo 3, versículo 21 diz o seguinte: "Quero trazer à memória o que me pode dar esperança". Jeremias recapitula a história do seu povo e sabe que sua esperança é o Senhor.

Vamos olhar para o cuidado de Deus na história e ver como ele fez. Quando tirou o povo do Egito, Deus abriu o mar vermelho quando o povo estava sendo perseguido e o livrou. Quando estavam no deserto, Deus alimentou o povo em suas necessidades, enviando pão e carne, fazendo sair água da rocha; protegeu o povo do sol com uma grande nuvem, do frio e escuridão com uma coluna de fogo. Deus alimentou e cuidou dos seus profetas, como fez com Elias na caverna.

No Novo Testamento temos o texto de Mateus 6.25-34, que fala para não andarmos ansiosos, mas para observar como Deus cuida e alimenta as aves, que não trabalham; veste os lírios do campo com o melhor. Ele cuida de todas as suas criaturas, não cuidará de sua maior criação que somos nós?

Há uma música do pastor Kleber Lucas que diz o seguinte: "Deus cuida de mim, na sobra das suas asas, Deus cuida de mim, eu amo a sua casa... eu sei, Deus cuida de mim! Essa é nossa certeza!

O cuidado divino é presente. O cuidado divino é tema de vários cânticos, hinos e poesias. Há um hino do Hinário Novo Cântico, de número 165, no seu coro, diz assim: "Deus cuidará de ti! Na tua dor, com todo amor, jamais te deixará! Deus cuidará de ti!"

Ele cuida do nosso coração, da nossa vida inteira. Por isso, podemos descansar nele e aliviar nossa carga!



Conclusão:

Aceite o convite e orientação do apóstolo Pedro e lance em Deus toda a sua ansiedade, pois Ele cuida de nós!

Eu tenho escolha, você pode pensar. Tem sim! Pode ficar com você mesmo, toda a sua ansiedade, viver agitado, preocupado, com fadiga, agitado, taquicardia, insônia... Ou, pode lançar em Deus e se livrar dessa carga que o aflige. Deus sabe como fazer, como eliminar a ansiedade e cuidar de nós!

Faça uma experiência. Jogue em Deus todo o seu peso e descansa nele. Tira de você e lança nas alturas, arremessando com fé e esperança!

Que Deus o abençoe

Nenhum comentário:

Postar um comentário