RADIO IPB

terça-feira, 19 de abril de 2011


Não se desvie do Único Evangelho!

Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado.

1 Coríntios 2:2

O que você pensa de Cristo?

Eis aqui um problema que muita gente enfrenta.

Respondendo a esta pergunta, uns dizem: Cristo foi um revolucionário, um mártir, um filósofo. Quando Pedro foi questionado juntamente com os outros discípulos a respeito de quem era Cristo, respondeu: “Tu és o Cristo, o filho de Deus vivo” em outras palavras; “Tu és o Messias, o ungido de Deus, o enviado de Deus”.

O destino da alma humana depende da resposta a esta pergunta, Cristo mesmo disse: “Se não crerdes que eu sou, morrereis em vossos pecados”, “aquele que crê em mim tem a vida eterna”.

Vamos relembrar o testemunho do apóstolo Paulo, ele disse ao povo de Corinto: “Estou resolvido a não saber outra coisa entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado”.

O Cristo que ele pregava era um Cristo particular, claramente definido, isto é, que fora crucificado pelos nossos pecados, derramando o seu sangue na cruz do calvário e, no terceiro dia, Deus o ressuscitou dentre os mortos. A igreja através dos séculos, tem sabido manter atitude digna, correta e positiva a respeito destas doutrinas fundamentais;

“ainda que nós, ou um anjo do céu, preguemos qualquer outro evangelho, além do que temos anunciado, seja anátema” Gálatas 1:8

Ele fala em “nós”, incluindo a si próprio, embora ele tivesse fundado a igreja em Galácia e os membros dela fossem seus filhos na fé. Ele os prevenia afirmando que se ele mesmo ali voltasse, dois, três ou cinco anos depois e, lhes dissesse que possuía agora uma nova iluminação ou que havia descoberto o evangelho social, o evangelho da prosperidade, ou que, como resultado de estudos profundos em alguma escola em Alexandria, ele estava convencido da significação social da sua nova mensagem e queria adicionar algo ao que lhes havia ensinado, se tal acontecesse ele os prevenia de que o deveriam considerar anátema, ou seja maldito, e proibi-lo de pregar.

Diz ainda mais, que se qualquer anjo, mesmo o próprio Gabriel, apresentando todas as credenciais do céu, informando-lhes que era o anjo que aparecera a Zacarias e que anunciava a Maria o nascimento de Jesus Cristo, mas fosse portador de mensagem diferente da que haviam recebido não o deviam ouvir. Ao contrário, deviam tê-lo como maldito, a expressão é forte.

Por fim, diz ainda Paulo: “conforme já vos falamos e outra vez dizemos: se alguém vos pregar qualquer outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema”. Gálatas 1:9

Se qualquer indivíduo, seja quem for, ou qualquer igreja, não importa a que grupo pertença, apresentar uma mensagem que se desvie do caminho já traçado, deve ser considerado anátema.

O ensino claro é, certamente, que há um só evangelho e que só ele levará os homens à salvação.

Qualquer outro evangelho, pervertido, modificado, contrariado, poluído ou aumentado desvia e destrói as almas dos homens.

O que Paulo salienta aqui é que a igreja deve pregar e ouvir uma só mensagem, não deve jamais dar ouvidos a “outro evangelho” que não é outro. O cristianismo histórico, através dos séculos, tem dado testemunho do exclusivismo e do evangelho de Jesus Cristo.

Se você é um crente que leva a Palavra de Deus a sério, levante-se contra os falsos ensinos que há por aí. Não tenha medo de dizer o que a Bíblia diz. Estamos num campo de Batalha e a Bíblia é a espada do espírito. Empunhe-a, seja íntegro, honesto e só afirme o que a Bíblia diz e nada mais.

Tem muita gente dizendo-se irmão que está trazendo uma nova mensagem, acrescentando diversas coisas à Bíblia, chamando a atenção das pessoas para estes acréscimos, você que é um crente sincero, honesto sabe muito bem do que estou falando.

“Ainda que nós, ou um anjo do céu, preguemos qualquer outro evangelho além do que temos anunciado, seja maldito” disse o apóstolo Paulo.

Pr. José Vasconcelos da Silva Filho

Pastor da IPF do IPSEP-Recife-PE

Professor do Seminário Presbiteriano Fundamentalista do Brasil - Recife

Nosso pastor e colaborador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário