RADIO IPB

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Soberania divina
e
responsabilidade humana



“Nos céus estabeleceu o Senhor o seu trono, e o seu reino domina sobre tudo”. Salmo 103:19:

Daniel 4:34,35: “Mas ao fim daqueles dias, eu, Nabucodonosor, levantei os olhos ao céu, tornou-me a vir o entendimento, e eu bendisse o Altíssimo, e louvei, e glorifiquei ao que vive para sempre, cujo domínio é sempiterno, e cujo reino é de geração em geração. Todos os moradores da terra são por ele reputados em nada; e, segundo a sua vontade, ele opera com o exército do céu e os moradores da terra; não há quem lhe possa deter a mão, nem lhe dizer: Que fazes?”.

O autor do livro “Deus é Soberano” A W Pink diz que tem-se ressaltado com freqüência o requisito fundamental na exposição da Palavra de Deus que é a necessidade de preservar o equilíbrio da Verdade.

Duas coisas são indisputáveis: Deus é soberano, o homem é responsável. Existe o perigo de salientar indevidamente uma delas, e de negligenciar a outra. Reconhecemos sem hesitação; e a história nos oferece numerosos exemplos de ambos os casos. A W Pink continua a dizer que ressaltar a soberania de Deus, sem acentuar, ao mesmo tempo, que a criatura é responsável, tende ao fatalismo.

Muitas vezes uma faceta do ensino da Palavra de Deus tem chamado mais atenção de determinadas pessoas do que outra, fazendo com que se dê mais ênfase aquele ensino em detrimento do outro. A pessoa só fala sobre aquela doutrina, sobre aquele assunto, não enxergando outros aspectos do ensino bíblico geral.

O apóstolo Paulo falando aos presbíteros da igreja de Éfeso ele disse: “porque jamais deixei de vos anunciar todo o desígnio de Deus” (Atos 20:27). Cabe ao cristão o dever de conhecer todo desígnio de que Paulo falou, ou seja, todo ensino bíblico, e assim sendo ensinar de maneira a edificar tanto a si mesmo como aos demais.

Fico pensando como Paulo e Tiago escreveram sobre a justificação homem diante de Deus. Esse entendia que a fé sem obras é morta, enquanto que aquele dizia que as obras sem a fé para nada adiantavam. Juntando os dois pensamentos podemos ver que ambos estão lutando contra heresias que traziam perigo ao cristianismo. São como dois soldados do mesmo exército, um de costas para o outro, mas ambos defendendo o mesmo território. Podemos nos apegar ao ensino de Paulo em detrimento do ensino de Tiago, ou vice-verso. É um perigo que corremos.

Assim também com a soberania divina e a responsabilidade humana. Precisamos contrabalançar uma com a outra. Se tivermos olhos só para a soberania divina estaremos incorrendo em erro e se olharmos somente para a responsabilidade humana também incorreremos em grande erro.

A W Pink, diz que “há dois lados em tudo, até no caráter de Deus, pois ele é “luz” (I João 1:5), mas também é “amor” (I João 4:8). E, por essa razão, somos exortados a “considerar a bondade e a severidade de Deus” (Romanos 11:22).” Pregar sempre um lado e excluir o outro é moldar uma caricatura do caráter divino.

Vivemos dias difíceis. Tudo parece desconjuntado. Parece que satanás quem está no controle e não Deus. Ao invés de termos segurança pública, cada dia que passa vemos que os bandidos estão ganhando terreno. Já são 13 os agentes penitenciários que foram mortos. O terrorismo em vários lugares: Israel, Nova York, Londres e outros.

A agitação, a insatisfação, a ilegalidade, propinas, roubos, injustiças. As CPIs de tudo quanto há coisa. Escândalos na elite política do país, demonstrando o egoísmo, a insensibilidade e a perversão de homens que deviam ser exemplos para o povo.

Muitas vezes somos surpreendidos com tais coisas, mas Deus não se deixa ser apanhado desprevenido. Não há emergência inesperada que surpreenda a Deus, pois ele “faz todas as cousas conforme o conselho da sua vontade” (Efésios 1:11). Tem que ser assim, porque “dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas” (Romanos 11:36).

A Soberania de Deus é uma verdade revelada a nós, nas Escrituras, para o conforto dos nossos corações, o fortalecimento das nossas almas e bênção de nossas vidas.

Devemos conhecer e apreender de maneira efetiva o ensino sobre a soberania de Deus, pois isso promoverá em nós o espírito de adoração, de piedade e de zelo. Essa doutrina nos coloca no lugar que o homem tem que estar, ou seja, no pó. Coloca Deus no lugar que lhe pertence, ou seja, no alto e sublime trono.

Deus quem diz essas palavras: “Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o Senhor, porque, assim como os céus são mais altos do que a terra, assim os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos” (Isaías 55:8,9).

A visão de Deus reinando de seu trono é repetida muitas vezes. Em I Rs 22.19- “Micaías prosseguiu: Ouve, pois, a palavra do Senhor: Vi o Senhor assentado no seu trono, e todo o exército do céu estava junto a ele, à sua direita e à sua esquerda.” Em Is 6.1 – “No ano da morte do rei Uzias, eu vi o Senhor assentado sobre um alto e sublime trono, e as abas de suas vestes enchiam o templo.” O Salmo 47:7 diz –“Deus é o Rei de toda a terra; salmodiai com harmonioso cântico.” Há muitas outras passagens que enfatizam o poder divino, seu reino e governo sobre o universo.

Deus governa e dirige tudo, ele determina como ele mesmo escolhe e realiza tudo o que determina, e nada pode deter seu propósito ou frustrar os seus planos. Ele exerce o seu governo no curso normal da vida, bem como nas mais extraordinárias intervenções ou milagres.

Todos os seres racionais, sejam angélicais ou humanos, gozam de livre ação, isto é, têm a livre agencia, - o poder de tomar decisões pessoais quanto àquilo que desejam fazer. Não seriam seres morais, responsáveis perante Deus, o Juiz, se não fosse assim. Em genesis 50.20 diz “Vós, na verdade, intentastes o mal contra mim; porém Deus o tornou em bem, para fazer, como vedes agora, que se conserve muita gente em vida.”

O fato da livre ação nos confronta com um mistério. O controle de Deus sobre os nossos atos livres – atos que praticamos por nossa própria escolha – é tão completo como o é sobre qualquer outra coisa. É verdade que o homem tem vontade, mas Deus também tem vontade, o homem é dotado de poder, mas Deus é o onipotente.

O “Deus altíssimo” (Isaías 9:6) antes da fundação do mundo fez os seus planos; e, sendo o Senhor infinito em poder, seu plano, não pode ser resistido ou impedido pelas criaturas de suas próprias mãos. Vejamos alguns aspectos da soberania divina.

A soberania de Deus é universal. Ela se estende sobre toda a criação; todo universo, todo o cosmos. Da mais complexa forma de criatura vivente até a ameba, uma das formas mais simples. No reino das criaturas vivas, Deus exerce poder sobre anjos, humanidade e animais inferiores. Nada acontece sem o consentimento divino. Em Mateus 10:29-31 diz ”Não se vendem dois pardais por um asse? E nenhum deles cairá em terra sem o consentimento de vosso Pai. E, quanto a vós outros, até os cabelos todos da cabeça estão contados. Não temais, pois! Bem mais valeis vós do que muitos pardais.” (Veja vv.16-33; cf. v.30 com Lucas 21:18)

A soberania de Deus é absoluta. Sua autoridade é perfeita em sua gerência; ela é exercida pelo saber infinito de Deus, e é suprema na extensão de seu poder, glória e domínio. Não podemos limitar Deus. No avanço de Seus propósitos e planos eternos, Deus age como Lhe agrada com todos os seres dos céus e da terra. Nada em toda a criação é capaz de resistir à vontade de Deus, ou frustrar os Seus propósitos — seja por meio de homens ou anjos ou qualquer outra coisa. Em Isaías 14:24 diz “Jurou o Deus dos Exércitos, dizendo: Como pensei, assim sucederá, e, como determinei, assim se efetuará.”

A soberania de Deus é imutável. Ela permanece inalterável durante todo o tempo, e sob todas as circunstâncias. O governo e domínio soberano de Deus não podem ser ignorados; ele não pode ser rejeitado, e não pode ser frustrado ou impedido pela humanidade ou por qualquer outra coisa na criação. O poder e domínio soberano de Deus amarram todas as criaturas tão completamente quanto as leis físicas amarram o universo material. O que Deus decretou ou pré-ordenou deve inevitavelmente acontecer. Em Salmos 33:10-11 diz “O SENHOR frustra os desígnios das nações e anula os intentos dos povos. O conselho do SENHOR dura para sempre; os desígnios do seu coração, por todas as gerações.”

Concluímos que Deus é soberano e o homem é responsável. São duas verdades que não sabemos onde elas conciliam. Soberania divina e responsabilidade humana são ensinos que estão claramente exarados nas Escrituras Sagradas, não há o que duvidar ou discutir. È mistério e isso nós aceitamos não pela razão mas pela fé.

Devemos nos deleitar em ambas doutrinas. Saber que Deus é “Deus” e acabou, ponto final, isso nos trás segurança e certeza. Saber que somos responsáveis nos trás temor e tremor diante de Deus que é justo Juiz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário